Mudança

Publicado: 20/07/2011 em Mudança

Mudei para http://omundodapaty.wordpress.com

Olá, pessoal! Tudo bem?

Como disse na semana passada, iniciei junto com a Van um novo programa de emagrecimento.

Aliás, tenho que registrar aqui que essa minha amiga está me dando uma super força. Se ela não insistisse, provavelmente eu não a acompanharia à Atibaia. E ela tá ficando gatona, gente! Obrigada por tudo, minha linda!

Consegui fazer uma semana “bonitinha” e, consequentemente, eliminei os primeiros quilos de muitos…rs

Adorei a última reunião, pois foi uma palestra de motivação, e eu realmente me motivei!

A anterior, tinha sido sobre nutrição, muito interessante também, mas eu sei muito do que foi dito. Já motivação é algo de que preciso muito nesse momento, como vocês bem sabem.

Mudei algumas coisas para fazer o programa funcionar. Estou priorizando muito mais os alimentos naturais, pois não basta ser pouco calórico, tem que me oferecer algum nutriente. Ainda mais com os inúmeros problemas de saúde que estou passando.

E funcionou: foram 3,300 Kg para o ralo! Iuupiiii!!!

Fui a pessoa que mais eliminou peso no grupo, e por isso ganhei uma cesta de frutas e legumes…AMEI! Recebi muitos aplausos, e depois da reunião várias pessoas vieram me parabenizar e dar alguns “pitacos”…foi fantástico!

A Van vibrou mais que eu, mas a entendo perfeitamente, pois fiquei muito feliz quando a vi reagir e ganhar as batalhas contra o excesso de peso. Muito legal ver os amigos obtendo sucesso!

Minha meta para essa semana era eliminar 1 Kg, mas já percebi que as coisas não andam bem. Estou seguindo tudo como na anterior, mas por algum motivo que desconheço, estou retendo líquidos (não é TPM). Prá vocês terem uma ideia, da última vez que medi minha cintura ela estava com 90cm, hoje deu 102 cm…tem alguma coisa errada, concordam?

Bem, desanimar eu não vou, pois o que posso fazer estou fazendo. Tá, ainda falta a atividade física, mas eu chego lá!

Acho que me engajei na causa novamente, garotas! rs

Meu primeiro objetivo é sair da obesidade. Depois vou voltando a ser uma pessoa magra. Sem pressa, sem muitas cobranças, mas com muita determinação!

De quebra, ainda vou conhecer a gostosíssima da Electra…mal posso esperar!

Mudando de assunto, assistiram o The Biggest Loser ontem? A Ali ficou linda, né? Eu sempre torci pelo Mark, mas foi legal ver uma mulher vencendo…

Só fazendo aquela quantidade de exercícios mesmo, para emagrecer tanto e não ficar com o “tchauzinho” flácido, né?

 

O legal foi que todos emagreceram, mesmo depois que saíram (tenho minha dúvidas com relação ao Paul). O Jay me lembra muito um ex-namorado, dos meus 20 anos, não o físico, mas os gestos…interessante que só descobri isso depois que ele emagreceu (o ex era magrelo). A gente perde a identidade quando engorda, né?

Ele é o da direita, o outro é o Mark

Vamos nos inspirar? Se eles conseguem, nós também conseguimos!!!

Preciso parabenizar a minha amiga Rebs, que saiu dos 3 dígitos. Êbaaaaaa, muito feliz por você!!!

Ah, vou alterar meu peso na reguinha. Vou colocar o do SOS Vida Nova, pois lá nos pesamos depois do almoço, com roupa, e fica difícil eu “deduzir” qual seria o peso na minha balança. Acho melhor assim, por enquanto…

Muitos beijos e obrigada por tudo!!!

Fiquem com Deus!

Só um registro da fase ruim

Publicado: 24/05/2011 em Comportamento

Bem, há um tempo atrás, eu postei aqui como me sentia aos 81 Kg. Estou com preguiça de colocar o link, mas se alguém se interessar, depois eu passo…rs

Nesse momento, meu peso já excede isso, e claro, novos “tormentos” apareceram.

Resolvi fazer esse post, acrescentando algumas coisas que passei nos últimos dias, e que não me agradaram nem um pouco.

Na verdade, sei que essa situação vai mudar, mas preciso registrar tudo para não esquecer e “descambar” novamente.

Eu nunca tive pernas grossas, elas só ficam assim quando estou gorda. Como nunca estive tão gorda como agora, as pernas estão bem maiores.

Dia desses, fui colocar a minha bota favorita e pela primeira vez o zíper dela não fechou. Me deu um desespero! Como assim, uma pessoa de pernas finas como eu não conseguir colocar uma bota? Pois é, eu também passei por isso.

Num outro episódio, estava preparada para ir à Brasilplast. Não tenho muitas roupas para sair, já que as minhas não me servem e não tenho “verba” para comprar novas. Por isso, sempre opto pelas leggings. No dia da feira, não tinha nenhuma delas disponível, por isso resolvi ir com uma calça jeans que tinha comprado na semana anterior. Minha mãe que comprou prá mim, pois eu raramente saio, prá não me expor mesmo, mas eu experimentei antes e ela servia. Duas horas antes do evento, fui me arrumar e a calça NÃO serviu. A coitada da minha mãe teve que ir correndo trocá-la por um número maior (48), e mesmo assim não estava confortável. Ainda tive que ir com a barra dobrada, pois sou baixinha e números maiores exigem que eu corte as calças. Sensação horrível, autoestima baixíssima.

Uma das coisas que mais me incomodam com esse peso, é o fato de todas as roupas íntimas me machucarem. Vivo cheia de marcas e com dores nos locais machucados. Fora as assaduras nos seios (mesmo no frio). Fazia tempo que não “perdia” sutiãs, mas agora uso tamanho 50, e nem todos servem!

Sapatos perdi aos montes: primeiro usava 36, depois 37…agora, às vezes tenho que comprar 38. E a maioria machuca meus pés. Não é fácil!

Sinto dores fortíssimas nas costas.

Acho que é isso!

Nunca mais quero passar por algo parecido, acho que aprendi a lição…

Vivendo!

Publicado: 16/05/2011 em Comportamento

Olá, gostosonas!!!

Nossa, como vocês são carinhosas e atenciosas! Me faz tão bem receber essa energia positiva!

Queridonas, estou viva…não precisam ficar preocupadas. Só não estou postando porque não tenho novidades e ficar me lamentando já virou rotina, né? rs

Estou frequentando um novo grupo de apoio com a Van, logo ali em Atibaia (risos). Poderia dizer que dessa vez eu “engreno”, mas sinceramente perdi totalmente a confiança em mim.

Sem pessimismo. Dessa vez vai funcionar, né? Né? rs

Sábado me pesei e pela MINHA balança estou com 84,200 Kg (com roupa, do jeito que me pesei lá). Pelo grupo, o peso ideal prá mim seria 58 Kg. Ah, diminuí 1 cm na minha altura (1,62 m agora), creio que seja culpa da minha postura.

As reuniões são como em qualquer outro grupo de apoio. Apesar de ouvir muitas coisas que eu tô careca (literalmente) de saber, estou buscando motivação, e lá tem muitos casos de sucesso. É sempre muito legal trocar essas experiências, como fazemos em nossos blogs…

Espero voltar em breve. Continuo acompanhando vocês, mesmo não comentando com tanta frequência, ok?

Um beijão e obrigada pela força!

Fiquem com Deus e tenham uma excelente semana!!!

Ausência

Publicado: 18/04/2011 em Comportamento

Olá, pessoas! Tudo bem?

Continuarei ausente por mais um tempo. Época de IR suga toda a minha energia…rs

Continuo tentando seguir o plano do D&S, vario de peso de 2Kg para menos e 2Kg para mais, continuando na casa dos 80 Kg. Semana passada tive endócrino e só levei bronca. Terei que tomar remédio para baixar o colesterol. Para emagrecer, ela me deu a opção de escolher, e eu recusei (confesso que depois que saí de lá, me bateu uma dúvida, mas já passou…rs). Minha cintura aumentou 2cm desde a última vez…e ela disse que o percentual de gordura também, mas quando cheguei em casa verifiquei nos posts anteriores e vi que permanece o mesmo.

Ainda não estou fazendo atividade física.

Autoestima está baixíssima. Tenho vergonha de sair de casa…só trabalho porque sou obrigada, e mesmo assim, me escondo das pessoas. Parece futilidade, mas cada vez que tenho que me vestir para sair, me dá vontade de chorar. Hoje, tenho dermatologista, e desde já estou preocupada com o que vou usar…

Não quero ficar me lamentando muito, pois já afastei muita gente daqui por conta disso. Espero voltar mais animada e mais focada.

Tenham paciência comigo e, principalmente, torçam por mim!

Quando eu retornar, passo nos seus blogs para avisar…

Muitos beijos e fiquem com Deus!

Dieta Coletiva (atrasada)

Publicado: 05/04/2011 em Dieta coletiva

Bom dia, pessoal!

Me desculpem o atraso da postagem. Ontem estava tão cansada que não tive ânimo para postar…

Bem, eu sempre disse que o blog me ajuda muito, pois tendo que dar “satisfações” , eu acabo me comportando melhor. Ocorre que eu virei uma cara de pau, uma sem vergonha, e pouco tenho me preocupado com o que vou falar aqui.

Vou ser sincera: nem eu confio mais em mim! Nem eu acredito que sou capaz de mudar a minha atual situação!

Pelo menos me comportei melhor na última semana do que na anterior, já é um avanço.

Ontem resolvi entrar para um novo programa, o Dieta e Saúde. Não é muito diferente das minhas outras tentativas…ao invés de escrever o que como no caderno, digito no computador e os pontos são calculados automaticamente. Vamos ver se funciona comigo…

Ainda estou naquele lenga-lenga com relação à atividade física, um dia eu desenrolo esse assunto. (será???)

Vocês assistiram o The Biggest Loser ontem? Quase desidratei de tanto chorar com a saída do Mark…estava torcendo prá ele. Putz, não sou só eu que brigo com a balança às vezes…imaginem ir para Las Vegas, acordar às 07:00 hs para malhar e depois emagrecer somente meio quilo! Mas ele já estava bem magro, né?

Depois eu escrevo com calma a minha opinião sobre a reportagem postada anteriormente. Adorei as opiniões expressadas…só tem gente inteligente por aqui!

Ah, semana passada fiz uma tomografia. Como é horrível isso, achei que ia ter uma crise de pânico! rs

Amanhã tenho cardio, depois gineco e segunda-feira endócrino. Consultas agendadas em fevereiro.

Desculpem os assuntos desencontrados…estou postando da empresa, com a maior dor na consciência, pois a minha mesa está repleta de coisas!

Visitem os links e o blog da Dieta Coletiva.

Um beijo e fiquem com Deus!!!

 

P.S.: Esqueci de contar…comprei uma calça menor para ver se me animo a entrar nela (tamanho 44). Depois posto foto.

 

O que vocês acham?

Publicado: 29/03/2011 em Comportamento

Saiu hoje no jornal Folha de SP, no caderno Equilíbrio (que eu adoro), a matéria abaixo. Gostaria de saber a opinião de vocês à respeito…

orgulho gordo


Contra a tirania da magreza, mas sem apologia da obesidade, pessoas acima do peso lutam para ser respeitadas


Marisa Cauduro/Folhapress

A produtora de moda Renata Poskus Vaz, criadora da Fashion Week Plus Size

IARA BIDERMAN
DE SÃO PAULO

A vendedora nem diz bom dia e já avisa que naquela loja não tem roupa para o seu tamanho. Na seleção de emprego, o entrevistador diz que seu currículo é ótimo, mas que você não se encaixa no “perfil” da empresa.
Na escola, seu nome próprio foi substituído por “baleia assassina”, e parece que ninguém se importa com isso. Se as agressões verbais passam à ameaça física, não se esperam reações.
Até que, um belo dia, você revida. Foi o que fez o adolescente australiano Casey Heynes, o mais recente fenômeno da internet. O vídeo mostrando a tentativa de bullying e a inesperada reação do garoto tornou-se viral.
Heynes, 16, passou a vida escolar sendo humilhado por causa de seu peso. No último ataque, um garoto muito menor, cercado e estimulado por colegas, começou a socá-lo. Pela primeira vez, Heynes reagiu e, num golpe digno de videogame, levantou o agressor e o jogou no chão.
Ele se tornou um herói porque deu um basta à discriminação que a maioria dos gordos sofre calada. “Eu me senti vingado” foi o comentário mais postado pelo exército de fãs formado logo depois de o vídeo ser divulgado.
Se o tipo de reação de Heynes foi um caso isolado, as iniciativas para acabar com o preconceito contra os gordos não são. E não é exagero falar em preconceito -ou discriminar alguém por uma característica física é o quê?
“O Brasil tem tradição de preconceito velado. Com o gordo, justificam falando que estão preocupados com a saúde, mas “pera” lá: gordura não é sinônimo de doença”, dispara o educador Lucio Luiz, 32, da equipe do site Papo de Gordo (http://papodegordo.mtv.uol.com.br).
Para provar que dá para ser gordo e saudável ao mesmo tempo, a equipe do site promoveu, em janeiro, uma caminhada com comilança pelas ruas de São Paulo.

REDES SOCIAIS
É nas redes sociais que obesos, gorduchos e simpatizantes começam a se mobilizar para afirmar o orgulho gordo. Aviso: não é apologia da obesidade.
“Nos blogs, há muita coisa voltada para a autoestima, mas também tentamos mostrar que ser gordo não é sinal de ser relaxado ou doente”, diz Dionisio Sanabio, 38, militar e blogueiro.
Dionisio é da equipe do blog Gordinhas Maravilhosas (http://gmaravilhosas.blogspot.com). Foi ele que incentivou sua mulher, Gisele Oliveira, 37, a criar o blog. Ele conta que sempre foi “redondinho”, mas nunca teve problemas com isso, ao contrário de Gisele.
Para mulheres, a barra é mais pesada. Em uma enquete do Gordinhas Maravilhosas sobre quem sofria mais preconceito, 56% disseram ser a mulher, 5%, os homens, e 35%, os dois.
“O gordo que sai com uma mulher magra é “o cara”. Magro que sai com gordinha é otário”, ironiza a gerente de hotel Barbara Aguiar, 34.
Barbara, que conta estar 10 kg acima de seu peso normal por causa de um problema na tireoide, resolveu criar a campanha “beleza não tem tamanho” para ajudar mulheres acima do peso a se sentirem lindas e se vestirem com roupas legais.
Falar de moda é pisar no calo da mulher que está fora do padrão. Padrão de quem mesmo? Vez por outra alguém reclama do visual anoréxico das modelos, mas o ideal de magreza continua imperando.
“Quase metade da população está acima do peso, mas entra no shopping e não encontra roupas do seu tamanho”, diz a consultora de marketing e produtora de moda Renata Poskus Vaz.
Com 1,70m e 83 kg, Renata é a criadora do blog Mulherão (http://mulherao.wordpress.com) e do Fashion Weekend Plus Size.
Ela conta que o primeiro desfile, em 2010, não foi levado muito a sério. “Eram 40 modelos e 500 pessoas na plateia, mas não foi nenhum jornalista de moda. A cobertura foi mais com um olhar para o “evento bizarro”.”
Renata caprichou mais nos detalhes para os desfiles seguintes. No último, realizado em fevereiro, já se sentiu consagrada. Além de vários editores de moda na plateia, muitas de suas modelos GG foram chamadas para editoriais e campanhas.
Nos EUA, já existe um bom mercado para modelos tamanho grande. Claro, há muita consumidora usando roupa número 46 ou mais. Elas ainda não sensibilizaram alguns donos de grifes brasileiras. Uma história que circula tanto na rede de gordos quanto no mundo fashion é de um estilista que mandou diminuir a modelagem de suas roupas com o argumento: “Não quero minha etiqueta em bunda gorda”. Mas Renata alerta que há um boom de mulheres gordas querendo ser modelos, e a solução não é por aí.
Para a gerente de RH Milly Costa, 27, autoconfiança é bom, mas é preciso ir além.

ABAIXO-ASSINADO
Revoltada com a quantidade de mensagens ofensivas na rede, Milly criou um abaixo-assinado contra crimes virtuais e pelo direito de ser gordo (www.peticaopublica.com.br/?pi=gordo). Ela diz que está difícil conseguir assinaturas. “As pessoas não têm coragem de dar a cara, o nome e o RG. Parece que gordo não tem vontade de incomodar, nem para defender seus direitos.” A psicóloga Rafaela Zorzanelli, co-autora de “Corpo em Evidência – A ciência e a redefinição do humano”, lembra que muita gente nem imagina que o gordo tem seus direitos desrespeitados. “Hoje, há um braço dos movimentos pelos direitos civis, iniciados nos anos 60, composto por minorias com alguma característica orgânica, como obesidade, autismo etc. Os gordos querem confrontar essa ideia meio tirânica de que estariam necessariamente melhor se fossem magros.”
O gordo assumido Lucio Luiz afirma que é preciso até lembrar que o gordo vive os problemas e alegrias da vida como todo mundo. “O que que há demais nisso? Não sei, mas tem gente que se incomoda.”
Ele dá um exemplo: quando estreou o seriado “Mike & Molly” (Warner), comédia romântica sobre um casal que se conhece em uma reunião de comedores compulsivos, uma jornalista escreveu no site da revista “Marie Claire” americana que tinha nojo de ver dois gordos se beijando.
A revista e a jornalista tiveram que pedir desculpas pelo artigo. O seriado continua sendo um sucesso.

FOLHA.com
Veja a caminhada com comilança em São Paulo
folha.com.br/eq893923

Veja entrevista com o garoto que reagiu ao bullying
folha.com.br/eq893923

 

“Um sujeito gordo também pode fazer coisas extraordinárias”

RODOLFO LUCENA
EDITOR DE TEC

Ele é grande, pesado e não está nem aí para as supostas limitações dos gordos. Aliás, carrega com orgulho o apelido Fat Man, mais do que justo para quem tem uma cintura de 153 cm. Três vezes campeão norte-americano de sumô, o estatístico Kelly Gneiting deixa a arena onde enfrenta sujeitos tão grandões quanto ele e vai para o asfalto, para mostrar que gente gorda pode fazer qualquer coisa. Até correr uma maratona.
Ele acaba de completar uma em Los Angeles e aguarda que o “Livro dos Recordes” oficialize seu título de homem mais pesado do mundo a completar uma prova do gênero.
Na semana passada, três dias depois de suas quase dez horas de corrida, Gneiting concedeu entrevista à Folha, por e-mail. Leia a seguir os principais trechos.

Folha – Por que o senhor decidiu correr a maratona? Kelly Gneiting – Eu queria estabelecer um novo recorde mundial. Queria provar para mim e para os outros que um sujeito gordo também pode fazer coisas extraordinárias. [Meu exemplo] seria como uma injeção de penicilina para aqueles que são pesados, mas têm baixa autoestima ou deixam que seu peso se traduza em incapacidade de fazer qualquer coisa.

Foi uma espécie de declaração: gordos também podem estar em forma…
Sim, e também que gordos podem fazer qualquer coisa, que qualquer pessoa, mesmo com algum tipo de fraqueza, pode fazer qualquer coisa.

Como o senhor treinou para a maratona de Los Angeles?
Eu sou um sujeito muito ativo e não deixo que o meu peso me impeça de fazer nada. Estou sempre treinando para o sumô, mas, quando decidi fazer a maratona, passei a incluir treinos específicos na minha preparação desde cinco meses antes da prova. Treino seis vezes por semana: dois dias de preparação para o sumô, dois treinos em escadas e dois treinos de corrida; em geral, cada treino dura 45 minutos.

Como foi a prova?
Foi muito difícil, extremamente dura, desde o princípio. Meus pés começaram a doer pouco depois do segundo quilômetro; em geral, nos treinos, eles começam a doer só depois de uns dez quilômetros. Então, desde o começo fiquei muito preocupado, mas você acaba se acostumando com as dores. Cheguei a ter bolhas. Naquele domingo, Los Angeles teve uma chuva recorde, e a chuva e o vento transformaram a corrida num inferno. Eu trotei por cerca de 13 quilômetros, depois caminhei com rapidez e energia por mais uns seis quilômetros e, depois, fiz o que era possível para sobreviver, ficar de pé e chegar até o fim.

Depois de completar a maratona em 9h48min52, reduzindo em mais de duas horas o seu tempo anterior, o senhor teria dito que se considera um dos melhores atletas do mundo. É isso mesmo?
Eu espero que o fato de eu ter completado a maratona mostre quanto eu sou durão. As lutas de sumô duram seis segundos; as maratonas duram muito mais. Meu corpo é extremamente durável. Nunca tive um osso quebrado. Eu tenho tanta confiança nas minhas habilidades que, sim, acredito que sou um dos melhores do mundo.

FOLHA.com
Saiba mais sobre a história de Kelly Gneiting
maiscorrida.folha.com.br

 

Fonte: Folha de SP – Caderno “Equilíbrio” – publicada em 29/03/2011